Comentários possibilitam conversação

Raquel criou um Wiki com referências de artigos científicos que têm como tema os blogs no Brasil. Na relação, já se pode encontrar produções desde o ano 2000 do assunto. O artigo “Escritores de Blogs: Interagindo com os Leitores ou Apenas Ouvindo Ecos?“, de autoria de Flávia Di Luccio e Ana Nicolaci-da-Costa, chamou-me a atenção por tratar de dois aspectos que estou trabalhando em minha monografia da especialização e que, também, irei pesquisar no mestrado que são: a Interação Mediada por Computador; e, os comentários nos blogs.

As autoras dividem a escrita em quatro cenários, partindo dos pergaminhos da Antigüidade grega e romana até a revolução digital na contemporaneidade, quando a nova plataforma passa a ser a tela do computador. Referindo-se a Chartier, explicam que os leitores precisavam das duas mãos para segurar o papiro e que isso os limitava a escrever durante a leitura. Assim, como o escritor que viria a utilizar de uma outra pessoa, o escriba, para produzir seus textos que eram ditados. Depois, surgiram os livros manuscritos, denominados de códice. Revolucionários para a escrita e leitura da época permitindo se ler e escrever ao mesmo tempo, já que se podia folhar os cadernos como os livros atuais. No século XV, surgiu a imprensa de Gutenberg e foi quando se pode popularizar a escrita, pois os custos e tempo de produção caíram consideravelmente. Mas, elas destacam que, segundo Chartier, o fundamento de produção e leitura continuavam muito próximos dos suportes anteriores que eram baseados na “distribuição do texto na superfície da página, numerações, índices, sumários” (P. 667).

Esses aspectos do suporte técnico de produção e leitura se tornam essenciais para que se compreenda a questão da revolução digital que virá para possibilitar a interação entre autores e leitores. Segundo as autoras, nos suportes anteriores “não há a possibilidade de leitores e escritores se comunicarem” (P. 667). As opiniões e críticas dos leitores podiam ser inseridas apenas em espaços secundários e limitados, como as margens, folhas em branco ou contracapa. Nesse ponto, compreendo que as autores foram um pouco radicais em afirmar que a comunicação não era possível. O leitor poderia enviar uma carta com seus comentários ou mesmo discutir presencialmente suas opiniões. No entanto, a possibilidade de se obter uma interação no mesmo suporte, como na tela do computador, influenciando avanços no processo de produção foi muito bem ressaltada por elas. No momento em que autor e leitor interagem no mesmo suporte técnico se torna possível a conversação entre eles.

Na visão de Chartier (1999), a revolução digital gerou mudanças muito mais radicais do que a revolução da imprensa por diversos motivos. Entre esses motivos, estão os de que a tela do computador: (a) permite que qualquer texto seja lido ou escrito em um mesmo e único suporte textual; (b) gera o desaparecimento dos critérios imediatos, visíveis, e de materiais de classificação e hierarquização dos discursos (paginações, indexações, citações, notas de pé de página, capítulos ou anexos); (c) faculta o surgimento do hipertexto, ou seja, de um texto não linear, não seqüencial e repleto de links que remetem a outros textos, e (d) inaugura a possibilidade de diálogo entre leitores e escritores. (P. 667)

Os comentários em blogs possuem tais características e por esses motivos possibilitam a interação entre leitores-autores e leitores-leitores. A comunicação entre essas partes pode chegar ao nível de não se ter um único autor do texto, onde surgirá a questão da cooperação, que segundo as autoras foi inaugurada com esse novo suporte textual.

É a tela do computador como suporte textual que inaugura a possibilidade de diálogo (e/ou cooperação) entre escritores e leitores, diálogo esse que pode ocorrer no espaço do próprio suporte. Segundo Chartier (2002), essa inovação é tão radical que faz com que os leitores possam se transformar em co-autores, dado que seus comentários e intervenções podem chegar aos escritores rápida e diretamente, sem passar por intermediários como antes. (P. 667-668)

Então, através de blogs se pode ter uma nova concepção de produção textual e os comentários passam a ser ferramentas de extrema importância para que isso ocorra. Mas, uma das principais questões da pesquisa das autoras era identificar até que ponto os autores dos blogs estavam aproveitando essas possibilidades.

Os resultados delas trazem questões interessantes. Como a da importância dos comentários para os autores dos blogs pesquisados continuarem postando. A pesquisa identificou que um dos principais motivos que leva a manutenção dos blogs é a facilidade de que eles têm de publicar textos sem restrições. Ou seja, como as próprias autoras salientam, a liberdade de expressão possibilitada em blogs leva as pessoas a manterem seus espaços atualizados. “Escrever sem restrições ou regras pré-estabelecidas é, portanto, um grande atrativo que os blogs oferecem” (P. 671).

[...] os participantes da pesquisa apontaram como importante para a criação e manutenção de seus blogs é a possibilidade de saber a opinião de seus leitores. Em sua visão, o blog é um ambiente propício, não somente para publicar com liberdade mas também para interagir com os leitores e conhecer pessoas. (P. 672)

Mas, outro resultado traz a tona uma questão, que diz respeito à possibilidade de se ter a opinião a respeito do textos publicados, de se interagir com os leitores. Nesse aspecto, todos os autores pesquisados deixaram claro que não gostam de receber críticas e, alguns, raramente respondem os comentários. Porém, essa não seria uma das grandes vantagens que os levava a publicar?

Essa contradição me faz entender que as pessoas, antes de pensarem em textos coletivos e geração de debates na rede, possam estar buscando exclusivamente por reputação, já que desejam ter seus textos lidos e comentados, desde que sejam elogiados. No artigo, podem ser encontrados depoimentos dos autores pesquisados com expressões do tipo “putaço” ao se referir ao sentimento em relação a uma crítica.

A última questão que saliento do artigo é quanto ao uso dos comentários como um termômetro de popularidade mencionado pelos entrevistados. Se eles estivessem realmente preocupados apenas em saber isso e que os comentários são o que possibilitam essa mensuração, bastaria verificar as estatísticas dos blogs para saber quantas pessoas estão lendo seus textos. O que reforça a hipótese de que esses autores buscam  por reputação na rede.

Mas, é importante ficar claro que esses resultados foram abordados em cima do artigo mencionado. Pois, eu acompanho alguns blogs onde encontro todas essas possibilidades de conversação e trocas mencionadas com grande freqüência. Já vi blogueiros mudarem de opinião em verdadeiros debates online nas caixinhas de comentários e, ainda, estimularem críticas aos seus textos.

O certo é que fico contente em ler esse artigo, por ver que há muito a ser discutido e estudado nesse tema, como as próprias autoras sugerem, confirmando algumas da minhas idéias ao mesmo tempo que me deixam com muitas dúvidas da tendência do uso dos blogs pela sociedade.

6 Responses to “Comentários possibilitam conversação”


  1. 1 Raquel quarta-feira, fevereiro 13, 2008 às 7:12 AM

    Tu lesse o Chartier já? Eu acho que tem mais coisa para discutir ali no livro dele com relação a esse assunto.

    No post que eu fiz ontem, coloquei um monte de links para artigos sobre comentários em blogs e motivações(em inglês), dá uma fuxicada ali. O que eu ia dizer é que tem muitos blogueiros que vêem a quantidade de comentários como uma forma de mostrar autoridade e trabalham em textos que vão agradar aos leitores. Nesse sentido, o cara vê o comentário simplesmente como uma forma de dizer como o blog é relevante e não como um espaço social e de conversação. :D Já para outros blogueiros, o comentario é um espaço de crescimento sim, de troca, de conhecimento. E o pior é que essas diferenças têm aparecido na minha pesquisa! :D

  2. 2 Gilberto Consoni quarta-feira, fevereiro 13, 2008 às 9:31 AM

    Raquel, não li o livro do Chartier ainda. Mas, pretendo ler o mais breve, pois vi no artigo que ele é uma boa referência sobre esse tema e que, realmente, deve ter muita mais coisa a ser estudada.

    Concordo com esses dois sentidos dados aos comentários, que pode ser por reputação ou como espaço de discussão. De qualquer forma, o legal é que os blogs estão revolucionando as formas de produção textual, leitura e interação. O que já justifica qualquer esforço o seu estudo.

    Valeu pelas dicas de link, vou dar uma olhada lá agora mesmo :)

  3. 3 Gabriela quarta-feira, fevereiro 13, 2008 às 5:40 PM

    Será que o cenário não seria algo como >> comentários como sinônimo de fama/popularidade (para blogueiros que se preocupam com quantidade ao invés de qualidade) e comentários para construção de reputação/conversação (para quem prioriza interação)?
    (Mais alguns posts como esses – o teu e o da Raquel – e abandono de vez o Twitter para pesquisar comentários em blogs :PPP hehe)

  4. 4 Gilberto Consoni quarta-feira, fevereiro 13, 2008 às 7:30 PM

    Gabi, acho que essas são as coisas a mais que a Raquel se refere no comentário dela. Gostei dessa tua colocação de fama e reputação. Só incluiria uma terceira categoria um pouco mais avançada, que poderia ser conhecimento/discussão. Não podemos ignorar aqueles que postam sem esses dois primeiros motivos e sim para desenvolver temas que gostam. O motivo que leva as pessoas a postar devem ser dos mais variados, mas concordo que a maioria parece ser em busca de fama e reputação. No caso da primeira, a vantagem seria a divulgação de opiniões que provavelmente seriam improváveis antes da Web. Para o caso dos que buscam a reputação se ganha ainda na questão do debate. Então, independente dos motivos, os blogs se tornam espaços democráticos, antes improváveis. Importante ressaltar que há a discussão da Inclusão Digital, se tais espaços democratizam ou excluem ainda mais.

    Os comentários em blos estão realmente inspirando diversos pesquisadores e isso irá fazer com que se possua um grande material referencial para aplicações na sociedade. Mas, ainda acho que deves continuar com o Twitter. Fosses uma das pioneiras a falar dele no teu blog e já foi até referência para entrevistas no comunique-se. :D

  5. 5 Gabriela quarta-feira, fevereiro 13, 2008 às 9:03 PM

    Toda categorização é reducionista :/ Que tal algo como 1. fama (leia-se muitas visitas e rendimentos financeiros) 2. reputação (muitas visitas, muitos comentários, ser reconhecido como autoridade pelos ‘pares’ – enfim, em busca de elogios) 3. espaço de opinião/liberdade de expressão (usar o blog para poder dizer o que pensa, criar coisas novas, etc.) 4. conversação/discussão/debate (para alguém que eventualmente priorize os comentários) para classificar os motivos que levam alguém a manter um blog.

    Ok, ok, continuarei com o Twitter. Mas é bom poder considerar outras opções para quando a bolha dos microblogs estourar :PP


  1. 1 Moderação de comentários podem inibir a conversação « Web Research Trackback em quarta-feira, março 19, 2008 às 9:45 PM

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




.:del.icio.us

Creative Commons License
Blog Web Research by Gilberto Consoni is licensed under a Creative Commons.

.:visits since 11fev08

  • 124,168

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: